autoria:
intérprete:
X

Posts

Brava gente: na voz de Vicente Celestino, um ‘hit’ bicentenário de D. Pedro I e Evaristo da Veiga 

Pedro Paulo Malta

Tocar fonogramas

Já podeis da pátria filhos
Ver contente a mãe gentil
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil
Já raiou a liberdade
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil!

Foi há cem anos que esses versos rodopiaram num disco pela primeira vez: o 78 rotações que saiu pela Odeon com o número 122321, trazendo a gravação original do “Hino da Independência”. A voz que cantava os versos ufanistas – com acompanhamento da Orquestra Augusto Lima – era bem conhecida dos brasileiros: o tenor Vicente Celestino, um carioca filho de imigrantes calabreses que era um dos grandes cartazes do teatro musical brasileiro. Na vida artística desde 1915, já tinha deixado para trás os múltiplos trabalhos que teve de encarar desde a infância pobre: sapateiro, peixeiro, tamanqueiro, jornaleiro...

Entre as mais de 30 gravações que havia feito até 1922 estavam, por exemplo, as do “Hino Nacional Brasileiro” (Francisco Manoel da Silva e Osório Duque Estrada) e do “Hino à bandeira” (Francisco Braga e Olavo Bilac), lançadas em 1917 pela mesma Odeon. Portanto, nada melhor do que seu gogó cívico para restabelecer o hino de exaltação à Independência que, desde a Proclamação da República (15-11-1889), vinha sendo gradativamente abandonado. Chegado o centenário do grito do Ipiranga, era hora de revalorizar a música composta pelo próprio herói do 7 de setembro – o imperador D. Pedro I – com versos do poeta, livreiro e político carioca Evaristo da Veiga (1799-1837).

Brava gente brasileira
Longe vá, temor servil
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil

O lançamento do disco com a primeira gravação do “Hino da Independência” era o novo capítulo de uma história que então completava cem anos – a história que, entre fatos e acréscimos heroicos, culminou no 7 de setembro de 1822. O que nem sempre os livros registram é que, na sucessão de episódios que culminaram no “brado retumbante”, D. Pedro I teria encontrado tempo para compor a melodia do “Hino da Independência”. Pois o imperador, apaixonado pela música que era, dedicava-se a ela em parte de suas horas vagas – fosse tocando clarineta, fagote ou violoncelo, fosse compondo. Entre seus professores estão o lisboeta Marcos Portugal e o pianista austríaco Sigismund von Neukomm, em cujo diário estão anotadas as primeiras composições do nobre aluno: seis valsas feitas em 1916, como informa o site Musica Brasilis.

O jovem príncipe seguiu com a atividade de compositor nos anos seguintes, criando peças sacras e os primeiros hinos patrióticos, como o “Hino a D. João” (1817). Até que, já em pleno 1822, chegou em suas mãos o poema pró-independência escrito por Evaristo da Veiga e intitulado “Hino Constitucional Brasiliense”. Eram versos que estavam escritos desde 16 de agosto de 1822, como se lê no livro “A música no Brasil” (Imprensa Nacional, 1947), no qual o autor, Guilherme de Melo, conta que o próprio poeta levou os versos ao monarca: “Mandou ele imprimir esse hino que tem o estribilho ‘Brava gente brasileira’ e levou doze exemplares ao paço real, ofertando a D. Pedro seis exemplares e retirando-se com os outros seis, a fim de ofertá-los a D. Leopoldina. Disse-lhe D. Pedro: ‘Para quem leva isso?’ Respondeu-lhe Evaristo: ‘Para sua Majestade a Imperatriz.’ O Imperador, porém, retorquiu: ‘Para que quer ela isso? Dê-me mais quatro.’”

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil
Houve mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil
Houve mão mais poderosa
Houve mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil

A melodia teria sido composta antes do célebre grito, pois, ainda segundo Guilherme de Melo, o hino foi “cantado na mesma noite do dia 7 de setembro, pelas senhoritas Maria Egipcíaca Alvim, D. Rita, D. Joaquina Luz; e por ele próprio, D. Pedro, que juntamente com muitas outras senhoras fizera parte do coro” no “espetáculo de gala que a companhia Zacheli celebrara em São Paulo, em honra ao brado da Independência”. Já Francisco Acquarone, no livro “História da Música Brasileira” (Livraria Francisco Alves / Ed. Paulo de Azevedo, 1942), põe em dúvida a primeira audição do “Hino da Independência” nas horas que se seguiram ao brado: “Não se sabe ao certo se o hino que foi entoado pelo próprio príncipe, às 9 horas da noite, no camarim da Casa da Opera de São Paulo, era o da Independência ou o das Cortes Constituintes portuguesas, ou ainda o ‘Hino Constitucional’, de sua autoria, composto um ano antes.” 

Há ainda as fontes que afirmam que a melodia de D. Pedro I teria sido composta apenas em 1824, quando o poema de Evaristo da Veiga já havia sido musicado, no próprio ano de 1822, por Marcos Portugal. Este, além de professor de música do monarca, era mestre-de-capela da corte, tendo sido contratado e trazido ao Brasil pelo rei D. João VI. Esta melodia coexistiu com a de D. Pedro I, que teria sido posta em segundo plano após 1831, quando abdicou do trono e retornou a Portugal. Há um comentário da época no jornal Aurora Fluminense – destacado por Francisco Acquarone – que pende a favor da música de Marcos Portugal: “É a esta última que temos ouvido fazer elogios; quanto à do Príncipe, com a ajuda de vizinhos, não sabemos que seja tão apreciada.”

Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil
Vossos peitos, vossos braços
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil

Na confusão entre os autores da melodia, sobrou até o autor do poema original, cujo nome chegou a ser apagado por completo da composição em algumas menções na imprensa, como em 10 de setembro de 1833, quando o Visconde de Cairu escreveu no Diário do Rio de Janeiro sobre o “hino patriótico” com “letra e música” do imperador. Coube ao próprio Evaristo da Veiga, no dia 13 do mesmo mês, protestar no jornal Aurora Fluminense, reclamando sua participação nos créditos pela autoria do “Hino da Independência”.

A parceria seria reconhecida no fim das contas, mas levaria algum tempo. Guilherme de Melo aponta o ano de 1862 – 25 anos, portanto, após a morte de Evaristo da Veiga – como marco deste reconhecimento: só quando se iniciaram as obras do monumento a D. Pedro I na Praça Tiradentes (então Praça da Constituição), “declarou-se que seriam encerrados em uma caixa de cedro, entre outros objetos, o ‘Hino da Independência’ composto por D. Pedro I e as gazetas do dia, nas quais dava-se a Evaristo a autoria da letra”.

Parabéns, oh, brasileiros
Já com garbo varonil
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil
Do universo entre as nações
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil 

Com tantas confusões, lacunas e revisões, o “Hino da Independência” é apenas mais um capítulo da intrincada construção histórica que envolve a data fundadora de nosso país: da cena idealizada no famoso quadro de Pedro Américo à própria proclamação da Independência, que teria sido feita por D. Leopoldina, passando pelo próprio dia 7 de setembro, que na época não teve a dimensão que depois ganharia nos livros de História.

Sabe-se, no entanto, que foi com as quatro estrofes reproduzidas neste texto (além do famoso refrão: “Brava gente...”) que o povo ouviu a primeira gravação do “Hino da Independência”, há cem anos, ao som da “Voz Orgulho do Brasil”, como era conhecido Vicente Celestino. Clique aqui para conhecer todas as dez estrofes do poema original de Evaristo da Veiga e aqui para ver o manuscrito original, do acervo da Biblioteca Nacional.

Foto: Coleção José Ramos Tinhorão / Acervo IMS

Titulo / Autor
Intérprete
Acompanhamento
Ano